E de repente…acontece.
agosto 1, 2018
Eu e as mulheres.
setembro 13, 2018

Prioridades.

Tantas palavras que venho escutando massivamente que chega um momento que cansa. ‘Prioridades’, ‘escolhas’, ‘reciprocidade’ e por último ‘empoderamento’, essa então passo mal de tanto que é falada e usada, mas ultimamente tem sido pouco pronunciada, mas acho que é assim mesmo, cada época, cada fase algumas palavras tem mais utilização que outras.

Mas retornando às prioridades fiquei pasmo quando ouvi uma historinha e como sou uma pessoa que sabe escutar os outros, fiquei calado e bem curioso para que chegasse ao desfecho.

Resumindo e editando porque ninguém aguenta mais ‘textão’ foi assim.

O casalzinho já vinha saindo há alguns meses, e desde o início, até antes mesmo que eles se conhecessem, ela ficava e/ou viajava muito. Viagens que considero em questão de tempo médias geralmente três semanas e voltava, ficava por aqui umas duas semanas e já ia ela de volta. Não tinha um destino certo podia ser uma viagem nacional e depois uma internacional, sempre acompanhada de uma amiga pois não gostava de viajar sozinha. Sempre que ela voltava, não havia aquele mega encontro logo no dia da chegada, nem no outro dia, passava uma semana para que eles se reencontrassem. Não nomeei e nem gosto de rótulos para ‘catalogar’ relacionamentos, se é namoro, se são ficantes, se são casados, se tem um relacionamento ou até algo aberto, acho que quando duas pessoas estão juntas e bem o que manda é o coração e a alma unidas. É a renovação diária, é a vontade , o tesão e o interesse de querer se encontrar o mais rápido possível.

Um dia de reencontro num restaurante ele questionou porque ela levava tanto tempo para que se encontrassem, ela ficou quieta, ele deu uma meia prensa e ela finalmente falou: ‘Sempre que chego em casa tenho uma lista de prioridades, então eu sigo essa lista’, ele se remexeu na cadeira e ficou pensando se ele era prioridade e se fosse em que lugar estaria, deu uma risadinha interna e ela continuou.’ Primeiro vejo meus filhos, depois minhas amigas e vizinhas, depois vou resolver papelada, depois vou na academia, depois desfaço mala, lavo e arrumo minhas roupas e finalmente te encontro’. Ele até perdeu a conta se estava em sexto ou sétimo lugar nesta lista insensata! Nesse momento pela primeira vez intervi e falei: ‘Pula fora disso ai porque não tem horizonte.’ Ele retrucou e falou que se amavam e que estava bom assim’. Olha, depois desse choque consegui ver tudo claramente e a única coisa que não existia ali era amor.

Como cada um sabe de si, fiquei na minha, mudei de assunto e juro que nunca mais empresto meu ouvido para ouvir uma pessoa com tão baixa auto estima e que não se ama a si próprio (a redundância é proposital). Não sei se estou em outra orbita ou quando ouvi tudo isso tinha bebido, não tinha.

Desvendar seres humanos não é minha praia, a vida segue, e talvez por conta disso muita coisa não esteja de acordo nesse universo que habitamos.

Facebook Comments

2 Comentários

  1. Carmem Lucia Carvalho disse:

    Sobre prioridades , será que ele também tem prioridades e que ela não está no topo dessa lista
    Meu comportamento seria o mesmo se eu não fosse prioridade pra ele
    Mas confesso que não agia assim, agora “estou assim “
    Bjssss
    Carmencita

    • Sergio Haziot disse:

      Obrigado pelo comentário Carmencita. O que ocorre e sempre que posso menciono são que as crônicas tanto servem para homens e mulheres, ou seja, servem para todos.Mas nesse caso foi como descrevi, quem viajava era ela e quem ficava aqui era ele. Sempre aprendi desde pequeno que quem chega de viagem é que avisa. Mas nesta crônica o ponto crucial não é esse e sim a urgência de querer encontrar o outro o mais rápido possível. Se a criatura não tem tanta vontade assim de se encontrar, concluo que o ponteiro do amor está lá em baixo para este casal.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

//]]>