Convivendo com as redes sociais.

Ela só quer trocar figurinhas.
novembro 25, 2019
A psicóloga do faça o que eu falo mas não faça o que eu faço.
janeiro 28, 2020

Convivendo com as redes sociais.

Muitos anos já se passaram, talvez uns 20 quando as redes sociais começaram a surgir, foi um grande filão e os gigantes da internet, talvez nem tão gigantes ainda, mergulharam de peito aberto. Uma das pioneiras foi a Second Life que apareceu em 1999, mas talvez tenha sido um tubo de ensaio para o que vinha pela frente, existe até hoje, é um ambiente virtual e tridimensional que simula a vida do ser humano. O Orkut foi fundado em janeiro de 2004 e durou 10 anos encerrando as atividades em 2014, pertencia ao Google era direcionado ao mercado americano, mas seu grande sucesso se deu no Brasil e na Índia, o que não agradou seus executivos. No mesmo ano de 2004 surgia em Cambridge o que viria a ser a maior rede social do planeta: Facebook, sua ação em bolsa hoje vale R$424,00, se está em alta ou em baixa não sei. Ao longo, muitas redes surgiram e desapareceram.

O mais interessante dessas redes é que foram criadas como uma grande brincadeira e tornaram-se grandes fenômenos de estudo. Nem eles próprios tinham certeza para onde se direcionavam como um polvo gigantesco atacavam em todas as frentes.

Participei de todas e ainda participo, me lembro em 2006 no meu primeiro perfil no Facebook quase não tinham brasileiros e se conversava com grandes artistas europeus e americanos, era festiva com privacidade zero. Era o império da inocência. Outra situação que acontecia bastante eram os depoimentos em que os participantes discorriam sobre seus problemas pessoais se expondo socialmente de forma totalmente constrangedora.

Tudo mudou, hoje as pessoas se expõem, mas ao mesmo tempo tentam não se expor, é uma contradição, mas assim são as redes sociais hoje. O mundo mudou, tudo ficou muito chato, nada pode ser dito, ninguém diz mais nada, os movimentos sociais e as próprias pessoas ´reprimem´ qualquer postagem que não lhes agrada. Digo mais, eles (redes) não conseguem controlar o que é postado e você nunca sabe o que é verdadeiro ou não.

Ao mesmo tempo muita gente migrou para o Instagram que é uma rede social asséptica onde a foto é a protagonista e o texto nem tem tanta importância.

Escamoteando, simulando e escondendo, a vida continua nas redes sociais

Facebook Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

//]]>