A psicóloga do faça o que eu falo mas não faça o que eu faço.

Convivendo com as redes sociais.
dezembro 24, 2019
Água.
fevereiro 25, 2020

A psicóloga do faça o que eu falo mas não faça o que eu faço.

A psicóloga do faça o que eu falo, mas não faça o que eu faço.
Meu primo de B.H. já vem há dois anos, quase que diariamente via WhatsApp, me buzinando um assunto que não sai da cabeça dele. Um relacionamento que terminou, mas não terminou(para ele). Como sou prestativo e percebi claramente seu sofrimento, acabei alimentando este pingue pongue diário de teclação incessante. Às vezes quando a crise se instala ele prefere me ligar. Tudo começou no início de 2018 e parece que agora está arrefecendo, acredito que pelo andor ele está conseguindo se desprender deste fardo do passado.
Foi assim, ele conheceu uma psicóloga num barzinho e em principio mantiveram uma pré relação virtual onde foram intensificando os afetos, criaram intimidade e parecia que tudo caminhava bem. Ele desde o início percebia no ar que algo desta engrenagem não ia bem, mas não conseguia identificar, ficavam alguns dias sem se falar e ela se mostrou bem transparente nas suas(dela) palavras, ela protelava o que podia de marcar um encontro ao vivo. Aquele primeiro encontro no bar não contava. Ela sempre empurrava pra frente, até que um dia marcaram e se encontraram num café, ficaram um longo tempo conversando e após o café até passearam um pouco. Ela não conversava como um casal que se conhece deve conversar, sempre falava em assuntos generalizados e falava bastante de dinheiro. Ele tentava uma conversa mais amorosa e afetiva, mas ela desconversava. Deram tchau  e um breve ‘selinho’ constou da despedida.
Saíram mais algumas vezes e o mistério continuava, ela não permitia uma aproximação maior da parte dele, mas a sinalização não era de amizade. Ela no seu(dela) trabalho no consultório recebia seus pacientes com casos escabrosos e outros nem tanto, conversava e  orientava a todos com muita paciência e tentava coloca-los nos trilhos novamente.
Nesse ponto aconteceu um grande hiato entre os dois e ficaram praticamente um més inteiro sem se falar. Mas ela reapareceu explicando que um ex namorado da vida inteira havia lhe procurado e se encontrava com danos irreparáveis ocasionados por drogas, ela se compadeceu com ele e retornaram a namorar, mas ela alegava que ele(o ex) não lhe tocava nem mantinham nenhum tipo de relação. Meu primo se afastou por perceber estar num terreno lamacento e escorregadio. Finalmente agora no fim do ano passado ele acabou descobrindo que ela havia lhe mentido desde o primeiro encontro no bar. Ela já estava com o ex naquele momento, pior ela já estava com o ex desde sempre.
Eu que fico aqui no ‘posto’, neste ‘farol’ orientando no que posso os navegantes e divagando quando posso, noto que o ser humano necessita escamotear, mentir, iludir, quando pode simplesmente ser transparente e verdadeiro com seus pares.
Ela, a psicóloga continua trabalhando com a verdade e a sensatez com seus pacientes no consultório, mas na vida real não consegue. Não façam como ela fez com meu primo.
Ahhh o meu primo…falei com ele hoje. Está no litoral do Espirito Santo pegando uma cor e tomando umas caipirinhas…

Facebook Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

//]]>